Faça parte do nosso cérebro! Seja um autor do projeto CLT Livre. Saiba como

Ministério Público do Trabalho vai pedir veto ao projeto da tercerização

24 de março de 2017 às 14h39 horas - Geral

Ministério Público do Trabalho vai pedir veto ao projeto da tercerização

O Ministério Público do Trabalho (MPT), através da Procuradoria-Geral do Trabalho, vai pedir o veto da redação final do projeto de terceirização irrestrita aprovada pela Câmara dos Deputados na noite dessa quarta-feira. De acordo com informações da assessoria de imprensa da procuradoria-geral, o documento ainda está em fase de elaboração e deve ser encaminhado o mais rápido possível à Presidência da República.

As propostas aprovadas pela Câmara seguiram para sanção do presidente Michel Temer. Após serem sancionadas, entram em vigor

O texto principal do projeto foi aprovado por 231 votos a 188. Houve ainda oito abstenções. O placar mostra que o governo terá dificuldades para aprovar as reformas trabalhista e, principalmente, a da Previdência, que será votada por meio de Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que exige um mínimo de 308 votos favoráveis na Câmara.

A Câmara não pôde incluir inovações no texto. Isso porque a proposta, de 1998, já tinha passado uma vez pela Casa, em 2000, e pelo Senado, em 2002. Com isso, deputados só puderam escolher se mantinham integral ou parcialmente o texto aprovado pelo Senado ou se retomavam, integral ou parcialmente, a redação da Câmara.

O texto final aprovado, que seguirá para sanção do presidente Michel Temer, autoriza a terceirização em todas as atividades, inclusive na atividade-fim. Atualmente, jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho (TSE) proíbe terceirizar a atividade-fim da empresa. Por exemplo, um banco não pode terceirizar os atendentes do caixa.

Fonte: Correio do Povo



clt livre

49

Capítulos


clt livre

19

Autores


clt livre

940

Artigos


clt livre

3

Vídeos


CLT Livre é um projeto de pesquisa na área do Direito Material e Processual do Trabalho que possui como fundamento as ideias de inteligência conectada, de inovação colaborativa e de horizontalidade participativa. Dentro dessa perspectiva, seu objetivo é desenvolver estudos dentro da área trabalhista a partir do processamento colaborativo de informações e experiências, atingindo, dessa forma, a maior proporção e a maior diversidade possível de operadores jurídicos.