Faça parte do nosso cérebro! Seja um autor do projeto CLT Livre. Saiba como

Cliente processa Zara após encontrar rato costurado na bainha do vestido

16 de novembro de 2016 às 14h34 horas - Geral

Cliente processa Zara após encontrar rato costurado na bainha do vestido


Depois de ter a reputação manchada por contratar trabalho escravo, a rede de lojas Zara, uma das maiores marcas de roupa do mundo, acaba de se envolver em mais um escândalo. Na segunda-feira, dia 14, veio à tona o caso de uma cliente que encontrou um rato morto costurado na bainha de um vestido comprado em uma loja nos Estados Unidos.

De acordo com o site TMZ, Cailey Fiesel, 24 anos, comprou a peça em julho em uma loja de Greenwich, em Connecticut. Ao usá-lo semanas mais tarde para ir ao trabalho, sentiu uma "corda" roçando na perna. Era a pata do rato morto. Cailey teria desenvolvido uma erupção na pele diagnosticada como doença de roedor. Ainda segundo o TMZ, a jovem está processando a Zara por danos não especificados.

Um porta-voz da loja enviou um comunicado ao TMZ alegando estar ciente do processo movido contra a empresa. "A Zara USA está ciente do processo e estamos investigando o assunto ainda mais. Zara USA tem padrões de saúde e segurança rigorosos e estamos comprometidos em garantir que todos os nossos produtos cumpram com esses requisitos rigorosos", dizia a nota.

O site de notícias Daily Mail teve acesso à ação movida por Cailey e que se encontra na Suprema Corte de Manhattan. O documento diz que Cailey sentiu um cheiro forte enquanto trabalhava usando o vestido comprado na loja. Ao levantar-se da escrivaninha e andar pelo escritório, o odor a acompanhou. Ela descobriu o rato quando notou algo roçando na pele. Ao passar a mão pelo vestido, tocou numa "saliência incomum". A ação diz que a peça da Zara causou danos pessoais e emocionais à cliente.

Em 2014, a Zara Brasil entrou para a lista suja do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) de empresas que contratam trabalho escravo. Uma fiscalização em uma oficina de costura na cidade de Americana, em São Paulo, feita em 2011, descobriu imigrantes bolivianos e peruanos trabalhando em condições degradantes. Eles costuravam roupas com a etiqueta da Zara. 

Em 2015, o Ministério do Trabalho de São Paulo autuou a empresa por descumprir um acordo que previa a melhoria das condições de trabalho tanto de fornecedores quanto de terceiros.

Fonte: ZH Notícias




clt livre

49

Capítulos


clt livre

19

Autores


clt livre

940

Artigos


clt livre

3

Vídeos


CLT Livre é um projeto de pesquisa na área do Direito Material e Processual do Trabalho que possui como fundamento as ideias de inteligência conectada, de inovação colaborativa e de horizontalidade participativa. Dentro dessa perspectiva, seu objetivo é desenvolver estudos dentro da área trabalhista a partir do processamento colaborativo de informações e experiências, atingindo, dessa forma, a maior proporção e a maior diversidade possível de operadores jurídicos.